“A gente faz um monte de loucuras. Fala palavrão pra caramba. Passa toda nossa rebeldia, nossa atitude, o que a gente acredita. O fato de eu ter tatuado em mim, no meu braço “marginal”, não quer dizer que eu sou um marginal que faz várias brigas, que assalta os outros não. Quer dizer que eu to a margem de muita coisa que eu acho que é hipocrita, mentirosa. Eu to a margem da inveja, a margem da revolta ruim. Porque eu fiz na minha vida, uma vida de trabalho, de batalha, e nela o meu sonho se fez e se fundiu, graças a vocês. Mas a gente batalhou muito pra chegar aonde tá só que isso tudo que a gente tem, tem uma consciência que a gente adquiriu. Hoje não era nada, porque hoje eu tenho uma coisa que vocês talvez não tem. Que é uma banda de sucesso, uma vida louca, de cada dia tá num lugar, de aparecer na TV, de tocar na rádio. Só que vocês tem uma coisa que eu não tenho, que é o pai de vocês. Meu pai se foi faz 2 anos, e até hoje eu não consigo o porquê. Então, se você tem pai, se você tem mãe, se você tem uma casa, se você tem comida na mesa, se você tem uma cama limpinha, quentinha, se você tem saúde, se você enxerga, se você escuta, se você se supera, se você erra e aprende com seu erro, aí você é feliz. Aí você tem tudo. Porque dinheiro e sucesso não compra tudo não. O dinheiro compra muita gente, mas não compra tudo não. Então quero que vocês entendam que o melhor que a gente pode ter na vida são as coisas básicas. É a nossa saúde, é a família, é o amigo, é o lugar pra viver, é ter no que acreditar, é viver em função de um sonho. Eu tenho uma alma que é feita de sonhos.
Depoimento de Chorão — Festival de verão 2003
(via naestradadafelicidade)
“Eu costumava desabafar com algumas pessoas quando ficava triste. Mas hoje eu prefiro pegar um fone, colocar uma boa música e escutar, ou melhor, deixar elas me escutando.”
Marcos Filipe.    (via naestradadafelicidade)
“Eu sei que sou pesada, triste, dramática, neurótica, louca, insatisfeita, mimada, carente. Mas você se esqueceu da minha maior qualidade: eu sou só.”
Tati Bernardi   (via depressiff)
“Meu ciúmes é só medo de você encontrar alguém mais engraçada e divertida que eu. Caralho só tenho o medo bobo de ser esquecida.”
Mikaela. (via depressiff)
“Cansei de amores de meia página. Amizades com meia dúzia de letras não me satisfazem mais. Com o passar do tempo, a gente quer sossego e tranquilidade que rodopia. Alguém que nos acolha, que nos traga um sorriso gratuito, que dê um abraço que deixa sem ar, que o abraço sem ar seja mudo e que tenha a seguinte legenda “olha, eu estou aqui bem aqui pertinho de você, não fica com medo não”.”
Clarissa Corrêa (via depressiff)